Cidades descobrem benefícios de viver em ritmo mais lento na Itália

Para ganhar o título do “bem viver”, as cidades precisam cumprir 55 metas. Entre elas, ajudar pequenos investidores a defender produtos locais. A ideia é promover mudanças de mentalidade e estilo de vida da cidade.

Ilze Scamparini
Greve in Chianti, Itália

Os esforços por uma vida melhor e mais saudável poderão ser inúteis, se a cultura da velocidade não for revista. No pensamento moderno, o tempo é uma riqueza que está escasseando, como o petróleo ou a água. E a sensação de falta de tempo é uma doença crônica, sem remédio.

Controlar o tempo, uma ambição humana tão antiga quanto os povos remotos, ganhou na Itália um novo significado. No país, começou uma experiência inovadora, considerada uma das saídas para a salvação do planeta: diminuir o ritmo, ir mais devagar, com calma. A ideia do movimento que está se espalhando pelo mundo, “cidades do bem viver”, é promover mudanças de mentalidade e estilo de vida.

Em Greve in Chianti, na Praça Mateotti, conhecemos o açougueiro Stefano Fallorni, uma figura de prestigio na cidade. Ele nos chama para dar uma volta no seu furgão de 1950. As ideias dele também têm raízes no passado e ele se orgulha disso.

O açougue histórico foi aberto pela sua família em 1700, há oito gerações, na Praça Mateotti. A repórter Ilze Scamparini pergunta como se vive na região, e o açougueiro responde com uma provocação e diz que, se viajar de ferias, a qualidade de vida dele cai. “Vocês são a medida da minha qualidade de vida, que vêm de longe para fazer uma entrevista comigo. Aqui nos ensinaram a viver amando o território, a ficar perto das pessoas que trabalham a terra”, declara Stefano Falorni.

A ideia do movimento das cidades do bem viver nasceu na praça de Greve In Chianti, uma das mais bonitas da Toscana, mais precisamente no prédio da prefeitura. Considerada a capital da região do Chianti Classico, um dos tipos de vinho mais famosos da Itália, a cidade de 12 mil habitantes vem recebendo muitos turistas estrangeiros nas ultimas décadas e cresceu muito economicamente. Ainda assim, conseguiu manter a sua arquitetura e preservar a qualidade de vida dos seus cidadãos.

O ex-prefeito Paolo Saturnini governou a cidade durante três mandatos. Ao invés de construir estradas ou pontes, ele se preocupou com o bem estar das pessoas. Em 1999, criou a rede dos municípios com a mais alta qualidade de vida. “A minha preocupação era a de que esta cidade se descaracterizasse e se transformasse em um lugar apenas turístico, igual a todos os lugares muito visitados no mundo”, afirma.

Para ganhar o título do “bem viver”, as cidades precisam cumprir 55 exigências. Entre elas, ajudar os pequenos investidores a defender os produtos locais. Na Toscana, o bem viver é, antes de tudo, proteger a civilização rural. Rossela Rossi, dona do restaurante da praça, possui grande talento de cozinheira. A sua ribolita, a sopa de pão, é muito renomada. A receita leva cebola, aipo, feijão branco, legumes e pão amanhecido.

Filha do médico da cidade, Rossela cresceu conhecendo as famílias, a história e os antigos costumes locais. “A praça foi uma das primeiras coisas que surgiram aqui, em torno do ano 1000 ou 1100”, aponta a dona do restaurante.

A praça de Greve In Chianti, em forma de triângulo, se prepara para a quadragésima festa do vinho. Na cidade, são feitos negócios importantes. A uva não é só a matéria-prima de uma economia forte, mas aquilo que fez com que a região não perdesse as suas origens agrícolas.

O atual prefeito Alberto Bencistà define como um equilíbrio mágico entre presente, passado e futuro. “Estamos entre duas cidades de arte das mais belas do mundo, Florença e Siena. Mais de 60% do nosso território são bosques, uma reserva de oxigênio extraordinária, mais os vinhedos e oliveiras”, destaca o prefeito de Greve In Chianti.

A alguns quilômetros da cidade, a brasileira Jussara Perez, junto com o marido, se beneficiou das leis de incentivo para cultivar a terra. O casal abandonou a vida em Florença há 11 anos e investiu no agroturismo, um hotel-fazenda com produção agrícola. Tudo é orgânico e ecológico. Até a piscina tem sal no lugar do cloro. Nos casarões de pedra, em estilo toscano, não se pode abrir nem uma nova janela. Leis rigorosas tutelam as construções.

A lentidão é uma regra constante também da família de Jussara. “Comer com consciência do que você está comendo, viver o momento presente. Você está aqui, você curte, respira. Se você está bebendo, beba. Se você está comendo, coma. Se você está caminhando, caminhe. Você tem que ter consciência de cada coisa do que você esta fazendo. Isso é slow, porque é parar”, diz a dona do hotel-fazenda.

Fonte: Globo Reporter – http://g1.globo.com/globo-reporter/noticia/2010/12/italia-descobre-os-beneficios-de-viver-em-um-ritmo-mais-lento.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s